Ao tentar registrar filha, marido e mulher descobrem algo terrivelmente extraordinário

Rose Maria e Hervé eram um casal apaixonado, se conheceram em 2006 e foi amor à primeira vista. Do relacionamento surgiu uma filha, a pequena Océane, porém ao tentar registrar a criança, descobriram algo terrivelmente extraordinário sobre suas famílias, Rose e Hervé eram irmãos.

Acontece que eles cresceram cada um em seus respectivos lares adotivos e não sabiam da hipótese de terem um irmão. Quando se conheceram, jamais poderiam imaginar que aquilo pudesse acontecer.

O problema é que de acordo com o código civil Francês, filhos de incestos só podem ser registrados por um dos dois pais, e tudo indicava que Hervé é que teria o direito da guarda. Porém, felizmente a corte de justiça havia decretado que se houvesse uma anulação na parentagem da pequena, seria muito danoso para ela, então eles decidiram conceder o direito de paternidade aos dois. Mas, mesmo assim, as autoridades ainda poderiam vir a apelar para uma decisão judicial.

“Não estamos completamente decididos. Somos confrontados com dois interesses contraditórios aqui. Um da criança e outro da ordem pública”, comentou o porta-voz do Ministério Público Francês em entrevista para o jornal ‘Le Parisien’.

Mesmo parecendo tudo estar resolvido, em 2016 um juiz ordenou que o nome da mãe não deveria estar colocado na certidão, para que assim não gerasse “origem incestuosa”. Por esse motivo, uma certidão com somente o nome do pai foi emitida. Mas, Hervé não aceitou, e disse que o nome dele que deveria ser ocultado, já que tinha sido Rose que havia criado a maior parte do tempo a filha. Então, juntos a família recorreu a decisão do juiz, e conseguiu conquistar o direito de ter os dois nomes no documento da pequena.

Hoje eles vivem sem problemas como qualquer outra família francesa.