Como preservar sua energia em tempos de eleição?

Ânimos exaltados, sentimentos de ódio e separação, intolerância, discussões fervorosas, amizades desfeitas. Será que vale a pena?

Esses são alguns padrões vibratórios que dominam os brasileiros neste momento, às vésperas de escolhermos o futuro de um Brasil que claramente se encontra dividido.

Escolhas políticas à parte, a verdade é que as eleições estão adoecendo as pessoas. A dificuldade de aceitar uma opinião contrária nos faz vibrar em uma frequência baixa de indignação, ódio, intolerância e ansiedade.

As redes sociais se transformaram na ferramenta mais eficaz para aqueles que querem trocar a tranquilidade, o amor e a verdade por sentimentos contrários a esses.

Somos o que consumimos, vemos, falamos e ouvimos. Tudo é energia. E por isso pergunto: Qual a necessidade de continuar vendo vídeos, notícias, posts que te fazem mal?

Como diz Lívia de Bueno, “não caia no jogo das sombras que se alimentam da divisão. Onde existe separação, existem forças sombrias atuando. Se não concorda, faça um esforço para não julgar. Quando julgamos estamos imediatamente involuindo”.

Certas mídias são o veículo perfeito para os trabalhadores ocultos das baixas vibrações e das massas de manobra. Elas conseguem, num piscar de olhos, que as pessoas caiam nas matrizes do medo, da escassez, da separação, do ódio, da falta. Matrizes essas em que a Matrix se alimenta.

Preserve a saúde de seus quatro corpos. Somos – todos os brasileiros – muito maiores que qualquer representante do povo. Seja ele quem for o escolhido. Nenhum embate político vale a pena se ameaça o mínimo de sua energia. Dê o seu voto de forma consciente e deixe que seu semelhante dê o dele. Em momentos como esse, é necessário testar os ensinamentos estudados ao longo dos anos.

Sem radicalismos, vamos no caminho do meio, da harmonia, da lucidez, do amor, pois só assim poderemos apontar a melhor saída. Enquanto você está adoecendo pelos políticos, certamente eles estão ou estarão de conchavo, fazendo alianças e se corrompendo, mais uma vez.

Como diz o escritor Lucas Mahat, “nada vale mais que a sua paz. Esse é o seu maior tesouro, é o solo fértil onde seus sonhos podem florir. Lembre-se: se custa a sua paz, então não vale a pena”.

Salve-se! Permaneça saudável e lúcido. Já está quase acabando.