Filho de 11 anos ensina sua mãe catadora de lixo de 42 anos, a ler e escrever; Emocionante!

Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) existem no mundo 12.9 milhões de pessoas analfabetas. Esse número representa a 8,3% da população como jovens de 15 anos ou mais.

Isso não é novidade para ninguém, visto que na Região Nordestina tem um número ainda maior, podendo chegar até 14,8% de pessoas analfabetas. Independente desses índices grandes, há muitas pessoas que surgem com um grande desejo de realizar mudanças, e isso pode acontecer dentro do seu próprio lar aconchegante.

É a história que vamos relatar do pequeno menino Damião, com apenas 11 anos de idade, foi capaz de ensinar sua mãe de 42 anos, a ler e a escrever.

Em certo momento, seria impossível Sandra Maria ler, e até mesmo escrever, mesmo sendo seu próprio nome. Ela teve que começar a trabalhar muito cedo, contudo, não pôde continuar indo para a escola.

Com apenas 3 anos de idade, ela foi impedida de frequentar as aulas, ela foi abandonada pela mãe, e sua própria avó a ofereceu para outra família criar. No entanto, essa família também não a deixou estudar e Sandra seguiu sem poder ir para a escola.

Ainda muito nova, Sandra trabalhou na lavoura, triturando mandioca e também como doméstica. Ela observava as outras crianças indo para escola e chorava, visto que seu maior sonho era ir para a escola como faziam as outras crianças da sua idade.

Quando Sandra completou 12 anos, ela fugiu de casa com a intenção de localizar outra vez sua mãe. Contudo, ela foi rejeitada todas as vezes. Sem ter outra solução para sua vida, ela teve que viver na rua, sua alimentação era o que ela encontrava no lixo. Com apenas 13 anos, ela conheceu um homem e decidiu se casar, pois o mesmo lhe ofereceu casa e alimentação.


Sem ter outra solução, Sandra aceitou se casar. No relacionamento, eles tiveram três filhos, no entanto, Sandra sofria violência doméstica por parte de seu parceiro. No ano de 1996, no mês de junho, ela decidiu sair de casa levando seus três filhos com ela para bem distante do marido violento.

Naquela ocasião, Sandra foi orientada a fazer uma denúncia, porém, por falta de ajuda, ela não conseguiu realizar. A vida sofrida dificultava em tudo, até mesmo na hora de pegar um ônibus ela não conseguia fazer a leitura das palavras que estavam no painel. Ela sempre pedia ajuda para que outras pessoas lessem para ela.

No entanto, a pior parte na vida de Sandra ainda estava para acontecer. Ela ficou muito constrangida no momento em que foi gerar sua carteira de identidade, ela não pôde escrever seu próprio nome e teve que gravar o documento com suas impressões digitais.

Seu filho Damião sentiu pena da condição da sua mãe, o menino que é fruto de um segundo relacionamento da época, encarregou-se de ajudar ela a ler e a escrever, e assinar seu nome.

Naquela época, Sandra já trabalhava catando lixo, apesar da situação difícil de tristeza, por já ter enterrado 4 dos 7 filhos da sua separação com o marido, ela não escondia a felicidade de observar Damião indo e voltando da escola todos os dias.

Toda vez que seu filho chegava da escola, ela imaginava a oportunidade que ela tinha perdido durante a vida. O garoto ganhava muito estímulo da professora para que pegasse livros e ajudasse sua mãe no aprendizado. Foi exatamente o que ele fez, começou a levar alguns livros para casa, e começou a ler os livros ensinando a sua mãe a entender o que as histórias queriam dizer.

Sandra já tinha tentado frequentar algumas turmas para jovens e adultos, contudo, acabou desistindo devido as dificuldade que ela tinha.

E foi ai que Sandra começou a aprender aos poucos, utilizando comparativos como: o “R” é um “B” aberto e o “h” era uma cadeirinha, foi assim que ela começou a compreender as letras do nome do seu filho.

Em seguida, ela passou a escrever. Ela participou de uma reunião da escola e ficou cheia de orgulho quando pela primeira vez, conseguiu assinar seu nome como responsável do menino. Damião tem incentivando muito ela a escrever e a ler suas emoções. O menino declara que sua mãe gosta muito de falar de amor e paixão.

Em 2016, Sandra e Damião leram juntinhos 107 livros, emprestados da escola. Nesse período, ela também achou muito livros no lixo, fazendo sua tabela ficar ainda mais longa. O preferido dela é “Ninguém nasce genial”.

De acordo com Sandra, a sua preferência pelo livro se dá porque o tempo todo ela achou que não tinha mais tempo para aprender coisas novas, mas o tempo mostrou para ela que tudo é possível quando a gente sonha e corre atrás.