Hospital deixa homem sem comida durante 19 dias.

Quando um ente querido está doente no hospital, nós acreditamos que ele está sendo observado e bem tratado.
É isso que os familiares de Giuseppe Ulleri acharam quando o deixaram na Manchester Royal Infirmary, na Inglaterra.

O homem de 61 anos nasceu com Síndrome de Down e vivia em uma facilidade de moradia assistida em Withington. Um dia, ao ser encontrado ferido no chão de seu quarto depois de uma queda, Giuseppe teve que ser levado para o hospital Manchester Royal.

Giuseppe, chamado de “Joe” por sua família, era, como sua irmã Ria recorda, uma pessoa amigável, com muito humor e que gostava de dançar e de jardinagem.


Quando os familiares foram informados que Joe faleceu poucas semanas depois da queda, eles ficaram profundamente chocados. Mas só quando eles souberam por que e como é que a dimensão do horror ficou clara.

Joe não conseguia se expressar com muitas palavras, mas viveu uma longa vida sem problemas para se comunicar. No entanto, os funcionários do hospital não tinham a menor ideia de como alimentar o paciente e falharam catastroficamente na comunicação entre eles e o próprio homem.

Por mais inacreditável que pareça, a falta de comunicação interna levou Joe a ficar 19 dias sem comida. Nesse meio tempo, ele perdeu mais de 18 kg. Sua família não fazia ideia da negligência pela qual ele passava. Só depois de sua morte é que uma investigação foi feita, que por fim chegou à conclusão que Joe havia literalmente morrido de fome. A investigação revelou uma confusão catastrófica de responsabilidades, informações falsas e negligência. Nem o responsável por Joe na moradia assistida e os irmãos foram ouvidos durante a internação, independente de quantas vezes eles expressassem suas preocupações sobre a sua condição.

“Nós lutamos a vida toda para que ele fosse aceito e respeitado pelo que era”, diz Ria. Joe era o mais velho de quatro filhos, que, após a morte da mãe, foram criados pelo pai Pietro. Quando o pai adoeceu e Ria foi diagnosticada com esclerose múltipla, Joe se mudou para a moradia assistida, onde tinha grande independência e se sentia muito bem.

Na queda em seu quarto, ele quebrou o quadril, o pulso e até mesmo o pescoço. Ele não conseguia se mover e nem engolir por conta própria, motivo pelo qual recebeu um tubo de alimentação no hospital, o que também lhe causava dor. Depois de apenas um dia, o tubo foi retirado e a discussão fatal sobre sua alimentação começou.



Enquanto a equipe médica discutia como Joe deveria ser alimentado, mais de 19 dias se passaram sem resultado e sem que ele se alimentasse. Em seu estado indefeso, ele não conseguia entender o que estava acontecendo. É inacreditável que em nenhum momento alguém tenha percebido que o paciente, que precisava ser lavado e cuidado diariamente, morria de fome na frente de todos.

Quando Ria visitou seu irmão, ela percebeu que ele não estava bem, mas acreditava que aquilo era culpa dos ferimentos do acidente e do ambiente desconhecido em que estava. Ela acreditava que, quando ele voltasse para casa, ele iria se recuperar rapidamente.

Peter, o irmão de Joe, o visitou dois dias antes de sua morte e ficou chocado com a forma como ele estava magro e fraco. Joe acabou falecendo nos braços de seus irmãos. Uma combinação de múltiplas fraturas, pneumonia e desnutrição severa foi dada como a causa da morte. A família foi ao tribunal e ainda está lutando pelo processo.

Que perda horrível e desnecessária. Esperamos que os responsáveis sejam punidos devidamente e que ninguém nunca mais tenha que sofrer assim.