Morador de rua vai a restaurante de luxo e faz questão de pagar a conta

Homem maltrapilho chegou ao estabelecimento com uma nota de R$ 50 e reclamou pelo fato do garçom dizer que o almoço “era por conta da casa”

Uma história que surpreendeu ao ter um final feliz quando poderia ter sido mais um episódio de discriminação. Um restaurante localizado no bairro Lourdes, um dos metros quadrados mais caros de Belo Horizonte, foi o local escolhido por um morador de rua para fazer uma refeição completa, com direito a vinho, na tarde desta terça-feira (4).

Antes de ir embora, o homem maltrapilho protagonizou uma cena no mínimo engraçada ao recusar a oferta de almoço grátis feita pelo dono do estabelecimento.

Era por volta das 13 horas quando o cliente inesperado chegou descalço e com uma sacola de plástico em uma das mãos. Na outra, estava uma nota de R$ 50 que o homem educadamente mostrou para a equipe do restaurante Benvindo ao dizer que queria pedir “um prato”.

Felipe Rodrigues, o garçom responsável pelo atendimento, conta que ficou surpreendido com a cena e perguntou ao chefe como proceder. A resposta foi além da ordem de fazer uma boa recepção.

— Ele disse que não havia motivos para deixar de atendê-lo e falou para não cobrar a conta. Era para deixar o homem almoçar tranquilo.

E assim foi feito. Sorridente, o cliente pediu ajuda para entender o cardápio que carrega nomes de pratos requintados e a escolha foi assertiva: uma entrada, um prato principal com um filé e uma garrafa de vinho. Para completar, dois refrigerantes.

A cena foi acompanhada por outros clientes que também almoçavam por lá – alguns já até frequentes no estabelecimento. Entre eles, estava a advogada e professora Daniela Lage Zapata.

Sensibilizada, a profissional fotografou o homem fazendo sua refeição tranquilamente e compartilhou com os amigos na internet o modo como foi tocada. “A tranquilidade deste senhor me fez refletir sobre os diversos caminhos que escolhemos ao longo da vida em busca da felicidade….e muitas vezes ela está ali, da forma mais simples e mais verdadeira”, escreveu.

Fartura

Cheio antes mesmo de chegar a musse de chocolate indicada pelo garçom, o homem dispensou a sobremesa e pediu a conta. Felipe Rodrigues conta que ao informar que ele não precisaria pagar nada, o morador de rua se irritou e a resposta foi imediata: “eu quero pagar com o dinheiro do meu próprio trabalho”.

Para não desagradar o cliente que havia consumido R$ 130, o garçom pegou a nota de R$ 50 e devolveu-lhe R$ 40 de troco. Segundo Rodrigues, o homem ainda refutou dizendo que a conta teria ficado mais cara, mas com um “jeitinho”, o rapaz conseguiu convencê-lo de que estava tudo certo.

— Ele começou a ficar irritado. Então eu disse que o serviço era por conta da casa e ficou tudo bem. Antes de ir embora, ele ainda devolveu a garrafa de vinho.

A publicação feita por Daniela Zapata caiu nas graças dos internautas. Até às 16h desta quarta-feira (5), mais de 5.000 pessoas já haviam compartilhado a história nas redes sociais. Para ela, a cena foi um “exemplo lindo de cidadania, empatia e compaixão”.