Polícia divulga foto atual de criança que ficou presa no armário por 6 anos

Lauren Kavanaugh foi protagonista de um caso que espantou o muito inteiro. A menina, que na época tinha apenas seis anos, ficou mantida presa em um armário por sua mãe biológica, Barbara Artkinson e por seu padastro, Kenny.

Durante seis anos, Lauren quase não era alimentada. Além das torturas psicológicas, ela sofria torturas e abusos sexuais. Quando a criança foi encontrada, ela tinha queimaduras de cigarro pelo corpo e estava muito desnutrida, ocasionada pelo fato de quase não ser alimentada. Apesar de já ter oito anos, ainda era obrigada a usar fraldas, não sabia sentar em uma cadeira, pegar num lápis e não tinha conhecimento do alfabeto. A mãe biológica de Lauren e o padrasto foram condenados à prisão perpétua.



Lauren já havia morado em um lar adotivo, mas com um ano e oito meses ela foi obrigada a voltar a morar com Barbara, que dizia ter se arrependido de ter dado a filha para a adoção. Depois de ser resgatada, a criança voltou a antiga casa.

Mesmo depois de 25 anos e muita ajuda psicológica, ela ainda tem muitos traumas que trazem reflexos ns seus atos até o dia de hoje. Na última quinta-feira (20), a polícia do Texas, Estados Unidos, revelou que a menina foi presa por abusar sexualmente de uma adolescente de 14 anos.

Lauren assumiu quando interrogada pela policia sobre o assunto, as duas mantinham relações há meses. Elas se conheceram em uma página no Facebook que contava a história pela qual Lauren passou, o objetivo era ajudar vítimas de abuso sexual infantil. A polícia suspeite que pode existir outras vítimas e pede para que os pais lembrem de conversar com seus filhos sobre o perigo de conversar com desconhecidos na internet.

Em uma entrevista para o Dallas Morning News, em 2013 , Lauren disse “Espero um dia ter uma vida normal. É claro que a minha vida nunca foi normal. Eu não quero ser como os meus pais. Esse é o meu foco. Eu tenho medo de virar o que eles eram, porque todos os dias eu sinto isso. Eu tenho aquela raiva dentro de mim como a minha a mãe”.